Notícias

sábado
31
out 2015
JPnoticias311015

Zagueiro mexicano sonha com bicampeonato e vitória sobre o Brasil na final do futebol




Se depender de Carlos Salcedo, o jejum do futebol do Brasil em Jogos Olímpicos vai continuar. O sonho do zagueiro do México é levar El Tri (de Tricolor, o apelido da seleção mexicana) ao bicampeonato Olímpico, impendindo a seleção pentacampeã em Copas do Mundo de conquistar o único título que falta em seu currículo.
“Nosso técnico tem nos motivado e revivido os momentos de Londres 2012, quando o México ganhou do Brasil (na decisão). Gostaríamos obviamente de repetir isso e também de fazer nosssa própria história. Gostaríamos de estar na final no Maracanã e levantar a medalha de ouro”, disse o jogador, um dos destaques da equipe mexicana que venceu este mês o Torneio Pré-Olímpico da Confederação da América do Norte, Central e do Caribe de Futebol (Concacaf).
Salcedo não esconde seu desejo particular de um confronto contra os donos da casa na jornada rumo ao bicampeonato. “Gostaríamos de enfrentá-los (os brasileiros) na final. Mas se isso acontecer antes da decisão, também vai ser uma partida muito bonita, na qual teremos de dar 100%”, afirmou o zagueiro, que atualmente defende o Chivas Guadalajara.
O México fez um Pré-Olímpico consistente sob o comando do técnico Raúl Gutiérrez. O time foi campeão invicto da competição e na final derrotou Honduras, que também se classificou para o Rio 2016, por 2 a 0. O meia Hirving Gonzalo, de 19 anos, foi eleito o melhor jogador do torneio.
Se no Pré-Olímpico o México foi impecável, o mesmo não se pode dizer sobre o desempenho nos Jogos Pan-Americanos Toronto 2015. Na final, o time perdeu por 1 a 0 para o Uruguai. “Não conseguimos ganhar o Pan. Pessoalmente quero ganhar tudo com esta seleção e sonho estar no pódio com todos os meus companheiros depois de conquistar o ouro (do Rio 2016)”, planeja Salcedo.
O jogador sabe que para que isso aconteça, no entanto, será necessário estar atento aos detalhes. “Em torneios tão curtos, como o Pré-Olímpico e os Jogos, temos uma margem de erro pequena. Não podemos nos dar ao luxo de perder duas partidas porque praticamente o time fica de fora das quartas-de-final. Isso requer concentração”.